História: Iron Maiden - 1980

Nosso novo parceiro, Ricardo Heavyrick, estréia hoje aqui no Iron Maiden 666 com uma série de posts sobre a história dos álbuns do Iron Maiden. Quem é fã da Donzela de Ferro sabe o quanto a banda tem carregado em suas letras passagens históricas, além de citações de autores como Shakespeare, mitologias e muito mais. Claro, devemos muito destas letras a Steve Harris e Bruce Dickinson, que além de piloto de avião, esgrimista, roteirista, empresário, vocalista do Maiden, é historiador. E de certa forma entrar no mundo do que estas letras dizem sobre a história, é entrar um pouco na mente destes caras.

Mas que passagens são estas? O que há por trás disso tudo? Não vamos conseguir todas as respostas, mas analisando letra por letra, pesquisa aqui e acolá conseguimos algo bem interessante. Embarque nesta viagem com Ricardo Neves!



1980 - IRON MAIDEN
Por: Ricardo Heavyrick (História e Caos)

O álbum começa com PROWLER, e quer dizer algo como "perambulador" ou alguém que se esgueira atrás de algo (verbo prowl). Na música temos um cara observando e desejando mulheres.

REMEMBER TOMORROW Di'Anno escreveu em homenagem ao avô. É tudo que se sabe, analisando a letra pode-se imaginar que o avô dele foi piloto, inclusive algumas fontes sugerem que ele foi piloto da Força Aérea Real (Royal Air Force) na Segunda Guerra Mundial.

A RAF surgiu em 1918 e foi muito proeminente na II Guerra Mundial. É a segunda maior atualmente na OTAN, ficando atrás apenas da USAF (Força Aérea dos EUA). A RAF responde às ordens do ministro britânico da defesa.


Supermarine Spitfire: avião de caça britânico da Segunda Guerra Mundial 

Durante a guerra, a RAF enfrentou a força aérea alemã, Luftwaffe na Batalha da Grã-Bretanha. Foi a primeira batalha da história apenas com aeronaves. O fim desta batalha, vencida pelos ingleses, levou Winston Churchill a dizer: "Never, in the field of human conflict, was so much owed by so many to so few" em português: "Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos" 


Capa do single "Running Free", lançando em 8 de fevereiro de 1980.


A faixa RUNNING FREE, segundo Paul Di'Anno, é uma espécie de autobiografia de quando ele era jovem.

O álbum segue com PHANTOM OF THE OPERA, título do romance escrito pelo francês Gaston Leroux de 1910 - título original Le Fantôme de l'Opéra. Esta obra foi adaptada para o cinema e teatro várias vezes e atualmente é o musical mais visto no mundo, com adaptação de Sir Andrew Lloyd Weber, superando Cats, dele mesmo. Sobre o romance, recomendo que assistam o filme - The Phantom of The Opera (2007) [Trailer].



A instrumental TRANSYLVANIA é o som seguinte. Esta região romena é muito conhecida graças a Vlad III, Príncipe (Voivoda) da Valáquia, ou mais popularmente como Vlad o Empalador ou Drácula. Ele foi príncipe de 1456 até 1462 (época do apogeu do império Otomano) 1448 e 1476.


Bran Castle na Transilvânia - Conhecido habitualmente como o "Castelo do Drácula"

Vlad era um cavaleiro cristão e enfrentou os turcos e seu próprio irmão Radu. Ele utilizava de métodos cruéis contra inimigos, principalmente o empalamento - para quem não sabe, empalar é um método de tortura onde se enfia uma estaca no ânus, vagina ou umbigo e ela atravessa todo o corpo. Haviam métodos que impediam que a pessoa morresse imediatamente após a inserção da estaca, para que ela sofresse mais algumas horas de dor.


Vlad III, Príncipe da Valáquia, conhecido como Vlad, o Empalador ou Drácula

O irlandês Bram Stoker (1847 -1912) após estudar folclore europeu e histórias de vampiros lançou em maio de 1896 sua magnum opus, Drácula.

STRANGE WORLD parece falar de drogas, sério mesmo. Fala do seu mundo perfeito e diferente, que está aqui mas não está, enfim. Porém quando vejo que a letra foi escrita por Harris minha tese cai por terra, ele é muito certinho.


Capa do single "Sanctuary", lançando em 23 de maio de 1980.

SANCTUARY parece alguém que cometeu um crime e precisa de um refúgio em santuário. Entre os séculos XIV e XVII um criminoso que se refugiasse em um santuário não podia ser preso, segundo a lei inglesa.

A música CHARLOTTE THE HARLOT é a primeira parte da "The Charlotte Saga", que eu carinhosamente chamo de a Saga da Puta - com todo o respeito para as profissionais e amadoras da área. As outras músicas dessa saga são 22 Acacia Avenue (The Number of the Beast), Hooks on You (No Prayer for the Dying) e From Here to Eternity (Fear of the Dark). Se bem que muita gente discute se as duas últimas de fato fazem parte desta saga - o fato é que pelo menos uma delas toma parte.

Charlotte é uma prostituta de East End, Londres. East End fica à leste do Muro (Medieval) de Londres e ao Norte do rio Tâmisa. Foi uma das áreas que mais sofreram com os bombardeios na segunda Guerra Mundial. Antes disso a área já era uma das mais pobres do Reino Unido (e ainda é), onde se concentravam os imigrantes e as pessoas que viviam nas favelas do centro, que tiveram que sair devido as construções das docas e de um terminal ferroviário.

IRON MAIDEN é aquela musica que os caras vão tocar para sempre, por que representa aquilo que é o Maiden. Eles fazem o público sangrar de alegria!

Iron Maiden: instrumento de tortura utilizado na Idade Média. 

Mas Iron Maiden também é um instrumento medieval de tortura com lanças dentro e na porta, conforme a porta vai fechando... bem, dá para imaginar o que acontece. Não, não dá, as lanças não atingem órgãos vitais, a pessoa morre de asfixia ou hemorragia um tempo depois.

Iron Maiden também é como a ministra britânica Margaret Thatcher era chamada.



Depois deste álbum o guitarrista Dennis Stratton deixa a banda e é substituído por Adrian Smith.

No álbum, a ordem das músicas pode mudar dependendo de onde ele foi lançado, o lançamento abaixo é o dos EUA. Na primeira versão não está incluída a faixa Sanctuary.

1. PROWLER
2. REMEMBER TOMORROW 
3. RUNNING FREE 
4. PHANTOM OF THE OPERA
5. TRANSYLVANIA 
6. STRANGE WORLD
7. SANCTUARY 
8. CHARLOTTE THE HARLOT
9. IRON MAIDEN

FORMAÇÃO
STEVE HARRIS - Baixo e Backing Vocals
DAVE MURRAY - Guitarra
PAUL DI'ANNO - Vocalista Principal
CLIVE BURR - Bateria
DENNIS STRATTON - Guitarra e Backing Vocals

LEIA TODOS OS POSTS DA SÉRIE
KILLERS (1981) // THE NUMBER OF THE BEAST (1982) // PIECE OF MIND (1983) // POWERSLAVE (1984) // SOMEWHERE IN TIME (1986) // SEVENTH SON OF A SEVENTH SON (1988) // NO PRAYER FOR THE DYING (1990) // FEAR OF THE DARK (1992) // THE X FACTOR (1995) // VIRTUAL XI (1998) // BRAVE NEW WORLD (2000) // DANCE OF DEATH (2003) // A MATTER OF LIFE AND DEATH (2006) // THE FINAL FRONTIER (2010)
Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »