Doomsday Clock: 65 anos depois, estamos novamente a 2 minutos da meia-noite



O "Relógio do Juízo Final" que serve como uma metáfora para quanto a humanidade está próxima de destruir o planeta, foi adiantado em meio minuto na última quinta-feira (25), segundo o Boletim de Cientistas Atômicos.

Após 65 anos, o relógio voltou a marcar "2 minutos para a meia-noite", mesmo horário que marcava em 1953, no auge da guerra fria, quando EUA e Rússia testavam bombas termonucleares.

A música "2 Minutes To Midnight" do Iron Maiden, lançada em 1984 no álbum Powerslave, foi inspirada no relógio e fala sobre política, guerras e aqueles que lucram com a desgraça da população.



Rachel Bronson, presidente do Boletim de Cientistas Atômicos, disse que o adiantamento em relação a janeiro do ano passado se deve à preocupação crescente com a questão nuclear de Coreia do Norte, Índia, Paquistão, com as tensões no Mar do Sul da China e à "incerteza" sobre como o governo americano irá lidar com esses temas -"expressa em declarações e tuítes"

Esta é a segunda vez que o relógio foi adiantado desde a eleição do republicano Donald Trump para a presidência americana em 2016.

O "Doomsday Clock" foi criado em 1947, por cientistas que ajudaram os EUA a desenvolver suas primeiras armas atômicas. Hoje, inclui 15 laureados com o Prêmio Nobel. Ao estrear, marcava 7 minutos para a meia-noite. Ele sempre focou sua preocupação na questão nuclear, mas, a partir de 2007, os problemas do aquecimento global e das tecnologias emergentes também passaram a ser considerados.

Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »