...

Dave Murray: "O público brasileiro é o mais apaixonado"



Por Lucas Buzatti / Jornal O Tempo

É difícil achar um roqueiro que não tenha sido influenciado pelo Iron Maiden. Um camisa-preta que nunca tenha batido cabeça e tocado air guitar ao som de “The Trooper” ou de “Fear of the Dark”, que não tenha tido uma camiseta com o mascote Eddie estampado ou desenhado a marca da banda num caderno de escola. Ao longo de seus 40 anos de atividade, a Donzela de Ferro influenciou e segue influenciando diferentes gerações.

Por isso, quando o assessor avisa que Dave Murray está na linha, o coração acelera. “Antes de tudo, Dave, é uma honra conversar com um dos maiores guitarristas da história. Sou um grande fã do Iron Maiden. Foi a primeira banda pela qual me apaixonei e me fez conhecer todo o universo do rock e do metal. Sou muito grato por toda a influência”, diz o repórter-fã, quebrando uma regra do jornalismo de não tietar entrevistados.

O nervosismo, porém, se esvai junto à primeira risada simpática do músico britânico de 59 anos. “É muito legal ouvir isso”, agradece o guitarrista do Iron Maiden – que volta a Belo Horizonte neste ano, depois do show histórico no Mineirinho, em 2009. Dessa vez, a banda passa pela capital mineira com a turnê do álbum “The Book of Souls” (2015), no dia 19 de março, na esplanada do Mineirão.

A introdução do papo com Murray não é sem motivo. Junto ao baixista Steve Harris, fundador e líder da banda, Dave Murray é o único integrante que se manteve no Iron Maiden desde o primeiro disco, homônimo, de 1980. “A longevidade da banda tem a ver com a paixão pelo que fazemos. Gostar tanto desse tipo particular de música nos tornou aptos a criar, a tocar e a viver esses grandes anos”, afirma Murray.

“Acho que as histórias dos discos, as artes das capas e o Eddie também ajudaram muito. Por algum motivo, nossa música atingiu muita gente ao redor do mundo”, completa o guitarrista, antes de emocionar o repórter-fã. “E, claro. Só é possível manter uma banda por tanto tempo por causa dos fãs. Fãs como você, que nos acompanham ao longo dos anos. Vocês tornam possível que sigamos em frente. Esse é o ponto-chave. Nós não conseguiríamos sem você, caras”, declara, entre risos, o gentil entrevistado.

Responsável por grande parte dos icônicos solos do Iron Maiden, Dave Murray afirma que o grupo está em sua melhor forma. “A energia entre nós e entre o público é cada vez mais intensa. Não é a mesma que há 40 anos. Estamos maiores e mais fortes”, defende. “Tem sido uma jornada fantástica, desde 1976. Viajamos pelo mundo, passamos por diferentes fases, álbuns e turnês. Quando você chega nesse ponto, começa a apreciar mais o que fez no passado. Pode sentar-se e refletir sobre o que passou, com muita leveza”, completa.

Segundo Murray, a mistura entre o passado e o presente dá o tom do repertório dos shows da turnê. “Estamos tocando algumas músicas novas, mas continuamos fazendo o material antigo. Os fãs sempre esperam pelas músicas que marcaram nossa história”, afirma, comentando “The Book of Souls” – o 16º álbum do Iron Maiden. “É um disco épico, bem trabalhado, cheio de músicas longas. O primeiro disco de estúdio duplo da nossa carreira. Ou triplo, se você comprar o vinil. Três álbuns em um”, diverte-se.

O guitarrista conta que o novo álbum foi gravado no mesmo estúdio que deu vida a “Brave New World” (2000). “Nós o gravamos em Paris, com o produtor Kevin ‘Caveman’ Shirley, que é especialista em escolher as melhores performances, os melhores takes”, diz. “Gravamos de forma muito espontânea, sabe. Foi no estúdio que ensaiamos a maioria das músicas pela primeira vez e já começamos a gravar logo em seguida. Temos visto que essas músicas crescem de forma mágica, quando tocadas ao vivo. Estamos muito confiantes no poder que elas possuem”, sublinha Murray.

Pergunto ao guitarrista sobre as expectativas de voltar ao Brasil – país pelo qual a banda já se declarou apaixonada “Nosso primeiro show no Brasil foi em 1985, no Rock in Rio, com o Queen. Desde então, sempre voltamos. E dessa vez não será em festival. Serão shows mais intimistas, próximos da plateia”, diz Murray, que rasga elogios ao público brasuca. “O público brasileiro é o mais apaixonado. É um tipo especial de fã. O clima do país é ótimo, as paisagens são lindas, e isso reflete no povo”, afirma o instrumentista britânico. “Também é legal ver que o Brasil está cada vez melhor. Sempre que voltamos ficamos surpresos, de forma positiva. Não vemos a hora de chegar aí”, conclui.

Apesar do entusiasmo do guitarrista Dave Murray, nem tudo foi fácil para o Iron Maiden no ano passado. É que, em fevereiro de 2015, o vocalista Bruce Dickinson foi diagnosticado com câncer na língua. A notícia pegou os fãs de surpresa e motivou o cancelamento de alguns shows. Mas não tardou para que o vocalista se recuperasse.

À época, o vocalista afirmou que a doença foi causada por sexo oral, levantando uma importante questão: a luta contra o vírus sexualmente transmissível HPV. “Eu tinha um do tamanho de uma bola de golfe na minha língua, e eu tinha um outro do tamanho de um grande morango ou de uma pequena noz no linfonodo, no lado direito do meu pescoço, e esse é o que me fez sentir um pouco estranho”, afirmou o inglês, em entrevista à revista “NME”. “Todo mundo faz piadas sobre o Michael Douglas, porque ele estava fazendo sexo oral. Nós precisamos superar isso, caras, porque isso é sério. Há centenas de milhares de pessoas em risco por isso”, finalizou o vocalista.

Saiba mais: 
Bruce Dickinson: "fazem piada com o lance do sexo oral, mas é bem sério"

A volta de Dickinson não só aconteceu rapidamente, como foi triunfal. Isso porque o vocalista assina uma das canções mais interessantes de “The Book of Souls”: a épica “Empire of the Clouds”, faixa de 18 minutos, que quebra o recorde de maior música da banda, até então detido por “The Rime of The Ancient Mariner”. “Eu acho que é uma obra-prima, na verdade. Acho que posso dizer isso porque eu não a escrevi. Parece com Maiden, mas é totalmente diferente do que já fizemos antes”, disse o baixista Steve Harris, em entrevista à revista “Kerrang!”.

A longa canção trata de outra paixão de Bruce Dickinson: a aviação. Como é sabido, o vocalista também é piloto e comanda o avião Ed Force One – o Boeing 747 do Iron Maiden. “É uma delícia voar com o Ed Force One durante as turnês. O avião leva toda a equipe, a produção, os equipamentos, a banda. Todos voam juntos, como uma família”, conta Dave Murray, em entrevista ao Magazine .

Mas como equilibrar tantos artistas brilhantes numa mesma banda? Será que a vaidade já foi um problema para o Iron Maiden? “Não há disso nessa banda”, afirma Murray, taxativo. “Nós nos damos muito bem. Quando estamos no palco, tocamos juntos, em unidade. Steven sempre fez muita questão de manter essa unidade. E a eletricidade e a sintonia, entre nós, só ficam melhores”, defende o guitarrista, afastando-se de qualquer polêmica.

Dave Murray garante que a turnê de “The Book of Souls” deixará os fãs impressionados. “O show está espetacular. Se você gosta das apresentações ao vivo do Iron Maiden, não vai se decepcionar”, instiga o simpático guitarrista. A turnê em questão começou no dia 24 de fevereiro, na cidade norte-americana de Fort Lauderlale, na Flórida. No repertório dos shows nos Estados Unidos – com abertura do Anthrax, que também vem a BH –, estavam seis músicas do disco novo, intercaladas por clássicos como “Hallowed Be Thy Name”, “The Number of the Beast”, “Children of the Damned” e “Powerslave”.

Fonte: O Tempo
Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »