Bruce Dickinson: Novo DVD será gravado no Chile!

Bruce Dickinson, vocalista do Iron Maiden concedeu uma entrevista ao jornal chileno La Tercera, onde falou sobre os planos para o novo DVD da banda, os fãs do Chile e o setlist da "The Final Frontier World Tour 2011". Confira!

Por Andrés del Real

Depois de anos de cancelamentos, mudanças de local e até censura o antigo e por diversas vezes frustrado sonho dos fãs chilenos vai se realizar, o Iron Maiden se apresentará pela primeira vez no Coliseo de Ñuñoa, após cinco visitas ao país. Esta também será a primeira vez que uma banda de heavy metal irá se apresentar nas instalações do Estádio Nacional do Chile.

Mas a satisfação não é apenas dos fãs: por telefone, direto da Inglaterra, o vocalista Bruce Dickinson falou com o La Tercera, e disse que o mês de Abril também será especial para ele e seus companheiros de banda. "Toda vez que tocamos no Chile mencionamos o Estádio Nacional, por isso ficamos muito animados quando vimos que poderiamos ter a chance real de tocar lá, e coincidiram as datas. É realmente uma grande honra que temos, finalmente, autorizaram tocar no estádio, e espero que seja verdadeiramente uma ocasião especial para todos ", diz o vocalista sobre a próxima passagem da banda por Santiago, que os ingleses aproveitarão para registrar um novo DVD ao vivo. "Estamos fazendo um filme sobre essa turnê, onde obviamente o Estádio Nacional do Chile será protagonista, o que nos excita ainda mais", acrescenta.

Aqui se falou que o Estádio Nacional foi uma exigência para que vocês voltassem para o Chile. É verdade?

Nem um pouco. Gostamos muito da última vez que tocamos, no ...Qual era o nome? "Jockey Club? (Club Hípico, 2009). Esse lugar no meio da pista de corrida de cavalos. Era um lugar muito bonito, uma boa planície, e podia entrar uma grande quantidade de pessoas. Não houve problemas, mas tocar no Estádio Nacional obviamente significará que as personas que estão sentadas poderão ter una melhor visão do palco. Além do que, é sempre bom tocar em lugares diferentes. Mas garanto que nunca foi uma exigência, e não estamos com raiva de ninguém no Chile; muito pelo contrário, pois é sempre muito divertido.

Bem, nunca faltam problemas aqui ...

Sim, de fato, muitas coisas têm acontecido, mas realmente vale a pena. O público chileno é muito especial e, portanto, sempre tentamos ficar mais tempo por lá, porque nós gostamos muito. É apenas rock and roll

O Estádio Nacional tem sido quase um sonho para os seus fãs. Inclusive em 1992, setores mais conservadores frustraram a sua estréia no Chile.

O que posso dizer. É sempre bom quando o bom senso prevalece. Nós somos apenas uma banda de rock & roll, não queremos iniciar uma revolução ou uma guerra. O fato é que nós estamos felizes e tantas pessoas no Chile não podem, em qualquer lugar, ser uma coisa ruim. Tanto que nós estamos preocupados, gostamos de ir para o Chile, é um lugar que sempre nos dá muito amor, mas é um pouco assustador (risos).

Será que vão permanecer vários dias em Santiago?

Normalmente andamos com uma agenda muito apertada, mas daremos algumas voltas por aí. É que os shows em Santiago são sempre muito intensos, por isso é muito difícil simplesmente ir tocar sem comemorar em uma festa na noite seguinte (risos).

Isso pode causar problemas, se é que pensa em pilotar o avião do grupo ...

(Risos) É provável que chegue voando em Santiago, porque antes vamos tocar em Buenos Aires, um dia antes de viajar.

O que você acha do sucesso que tiveram com A Fronteira Final?

Uau. Número um em quase 30 países é realmente assombroso. Sabíamos que estávamos fazendo um grande disco, mas fomos surpreendidos com o resultado das vendas. Além disso, recentemente, colocamos à venda as entradas para nossa primeira turnê pelo Reino Unido, depois de muito tempo, justo no momento em que a Europa está em meio a uma grande recessão econômica, mas o que é incrível é que já foram vendidos quase 95% dos ingressos em nosso país, apenas quatro dias após o início das vendas. É incrível, eu só posso agradecer aos fãs por serem tão fiéis ao Maiden. Só espero que reconheçam que nós trabalhamos duro para tentar dar-lhes o melhor disco que podíamos.

Mas nem tudo é só fidelidade, há novas gerações de fãs que também se somam

Sim, claro, mas quando eu falo de lealdade, eu também estou falando dos garotos de 15 ou 16 anos, não apenas os mais velhos. Eu posso ver que os fãs mais velhos têm crescido, obviamente, mas na verdade nós também temos duas ou três gerações que foram abrindo caminho até agora. E é precisamente por isso que tocamos em estádios e não em teatros.

Como será o repertório do show em Santiago?

Vamos tocar duas ou três músicas de The Final Frontier, mas também as antigas. É um repertório diferente da nossa mais recente tour de verão, que não tocamos muitos clássicos como vamos tocar aí. Mas também, como já disse, vamos registrar o show no Chile para um vídeo, e viajaremos para Santiago, com todos os efeitos especiais e equipamentos desde a Europa, por isso será um show realmente grande, na verdade, maior no Chile, do que em grande parte dos outros países latino-americanos.

Agora são quase quatro décadas de sucesso do Iron Maiden, com milhões de discos vendidos, e turnês por todo o mundo. O que ainda está no horizonte da banda?

Todos esses álbuns e números são algo que vão além do que inicialmente nos propusemos, e é incrível que sigamos conseguindo a essa altura de nossa carreira. Mas acho que há ainda muitas coisas a fazer. Seguimos trabalhando e criando coisas com esse objetivo, então eu não gostaria de elaborar com antecedência o que será o nosso plano para o futuro, mas tem que ser uma história fascinante. E essa é a razão pela qual Maiden ainda é tão popular, porque nós nunca seremos um grupo que se dedica a olhar para o passado, à nostalgia.

Fonte: La Tercera
http://diario.latercera.com
Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »