Iron Maiden em Recife: Sonho realizado...

O sonho daquele garoto que assistiu o Rock in Rio pela TV se realizou. Depois de anos e anos ouvindo discos ao vivo e assistindo aos inúmeros registros em vídeo. Enfim, eu estava lá. Parecia um sonho, será que foi um sonho? Após 17 horas de viagem ao lado dos 45 fãs mais legais que o Iron Maiden poderia ter. Enfim estávamos lá! Recife, Jockey Club de Pernambuco, 31 de Março de 2009.

De cara a visão inicial que tivemos do Jockey nos dava uma amostra da “grandiosidade” do que estávamos prestes a presenciar. O gigantesco palco e a já considerável fila que espreitava o muro do local do show ao meio dia, assustava os marinheiros de primeira viagem. E eu era um deles, assustado, com aquele frio na barriga que não passava e com um pequeno filme dos últimos 10 anos passando na minha cabeça ininterruptamente: a primeira música, o primeiro disco, a primeira camiseta... lá estava eu no meu primeiro show do Iron Maiden.

Passei rápido na bilheteria e consegui trocar meu ingresso Pista Promo por uma vaga na Premium, então parti com a galera da Caravana em busca de um almoço. De cara vimos que Recife respirava Iron Maiden, fãs da banda estavam por todas as partes e o restaurante escolhido pra matar a fome da galera estava cheio de camisas pretas estampadas com nosso amigo Eddie. Por falar em camisas, dois encontros legais me deixaram feliz logo na chegada em Recife. O brother Sidney Nicéas, pra mim o cara da Camisa Oficial do Show do Iron Maiden em Pernambuco! Super simpático estava lá com a família inteira e suas camisetas vendiam como água. Fiquei feliz pelo sucesso do trabalho dele, mas o Sidney tinha um concorrente de peso! O lendário e onipresente peruano Eduin “camesetas” também estava lá com seu famoso jargão: “Cameseta, cameseta”. Só faltou o precinho camarada de “binte real” que dessa vez era trinta, haha... tempos de crise? Se você ainda não conhece essa figura dá uma olhada na Comunidade dele no Orkut.

Galera da Caravana (METAL PI) antes do show...

Depois do almoço uma rápida passada no albergue em Boa Viagem pra guardar as coisas e tomar um merecido banho. Cheguei ao Jockey já era noite, perdemos a festa da galera durante a tarde, mas o melhor, é claro, ainda estava por vir...

Lauren Harris passou pelo palco rapidamente mostrando as músicas de “Calm Before The Storm” seu primeiro trabalho. Aproveitei a apatia do público durante o show da filha de Steve Harris pra pegar um lugar legal em frente o palco. Por falar no mestre Steve, a quem diga que o viu no cantinho do palco observando a curta apresentação da filha, que como era esperado, terminou aos gritos de “gostosa, gostosa” e “Maiden, Maiden”. Pelo menos fomos educados e não houve vaias para a moça, que convenhamos, não é lá grande coisa em se tratando de música.

Passava um pouco das 21 horas quando o clássico “Doctor Doctor” do UFO começou a ecoar nos gigantescos PA’s da Arena montada no Jockey Club de Pernambuco e aquele era o sinal, já tínhamos ouvido dezenas de outros clássicos, antes e depois do show de Lauren Harris, mas sabíamos que depois dessa música o show iria realmente começar. A espera que pra muitos naquela noite durou a vida inteira, enfim tinha acabado... e quando nos telões apareceu a imensa turbina do Ed Force One acompanhada pelo som da épica “Transylvania”, o que se viu foi uma explosão de euforia naquela enorme multidão de headbangers, que nos rostos eternizados das imagens do trailer de Flight 666 via a expressão fiel da alegria que estávamos todos sentindo naquele exato momento. 18 mil ? 20 mil? 25 mil? Quem se importa? Nós estávamos lá e gritamos pra quem quisesse ouvir “We shall go on to the end... We shall never surrender!"

Enfim eles apareceram diante dos nossos olhos! A entrada da banda no palco com a bombástica e veloz “Aces High” e seus fogos de artifício, certamente ficará na memória de todos para sempre, o refrão “Run, live to fly, fly to live, do or die” acompanhado pelo chamado “Recifeeeeeeee” do vocalista Bruce Dickinson, foi cantado num coro quase que uníssono daqueles milhares de headbangers que lá estavam. Logo na primeira música já era visível a emoção nos rostos mais próximos, homens, mulheres, meninos e meninas choravam de felicidade. A primeira música passou rápido e não houve tempo sequer pra respirar antes da explosão de vozes cantando o refrão quase que ensurdecedor de “Wrathchild”. Na sequência veio a fantástica “2 Minutes to Midnight” acompanhada da frase mais esperada da noite: “Scream For Me Recifeeeeeeeeeeeee”, um pedido prontamente atendido por aqueles que tantas vezes já haviam repetido essa frase em seus sonhos. Impossível não se emocionar nesse momento, ainda fico arrepiado só de lembrar.

Uma pequena pausa e nosso mestre de cerimônias anuncia “Children Of The Damned”, que é bem verdade deu uma esfriada no show, mas nem por isso foi menos emocionante que as demais músicas do set list daquela noite, aliás menção mais do que honrosa para Adrian Smith e sua Jackson Doubleneck nessa música. Em seguida “Phantom Of The Opera” me fez derramar as primeiras lágrimas, foi impossível segurar o choro nessa música, mais uma vez aquele filme dos últimos 10 anos passou pela minha cabeça logo nos acordes iniciais dessa que na minha humilde opinião é uma das mais fantásticas músicas do Iron Maiden e da história do Heavy Metal. Pra mim o momento mais emocionante do show, sem dúvidas.

A mudança no pano de fundo do palco já anunciava o que estava por vir, e a imagem daquele soldado que surge empunhando a bandeira inglesa com os versos “You'll take my life but I'll take yours too” era a representação fiel do imaginário que durante anos povoava a mente daqueles garotos e senhores que tanto sonharam com o dia 31 de Março de 2009, “The Trooper” foi mais um dos tantos momentos inesquecíveis da noite. Na sequência veio “Wasted Years” minha música favorita do Iron Maiden e certamente a que eu mais esperei naquela terça feira em Recife, a emoção de cantar junto com milhares de pessoas os versos eternizados no álbum Somewhere In Time de 1986 é algo que ficará marcado na minha vida pra sempre como um dos momentos mais bonitos que eu já vivi nesses 26 anos de curta história. “Face up... make your stand, and realize you're living in the golden years.”

E o marinheiro conta sua história! Assistir o Iron Maiden tocando “Rime Of The Ancient Mariner” era algo que até essa turnê, muita gente achava ser possível apenas no antigo vídeo Live After Death, mas desde o ano passado quando a banda resolveu embarcar conosco na Somewhere Back In Time, essa possibilidade se tornou real. Quem disse que essa música poderia ser substituída por outras duas ou três, não teve a oportunidade de ver o que nós vimos. 13 minutos de uma banda impecável executando a complexa faixa do álbum “Powerslave”, que aliás teve sua faixa título executada logo em seguida numa das dobradinhas mais espetaculares que uma banda de Heavy Metal pode ter em seu Set List. Nessas duas músicas Steve Harris esteve impecável, e ver ao vivo que ele ainda age no palco exatamente igual aos vídeos antigos, cantando e olhando diretamente pro público como se quisesse estar lá embaixo conosco, foi simplesmente impressionante. “Run To The Hills” veio logo depois, confesso que ela nunca foi uma das minha favoritas, mas é um clássico obrigatório em qualquer show do Iron Maiden, e tivemos mais um refrão cantado em uníssono por todos os presentes.

O que falar de “Fear Of The Dark” ? A histeria provocada por essa música é algo simplesmente inexplicável, milhares de pessoas acompanhando solos de guitarra num coro de vozes que deve ter sido ouvido até em Fernando de Noronha. “Recife in The Dark” disse Bruce Dickinson em um dos versos da música, levando a multidão à loucura no refrão que quase fez o Jockey vir abaixo! E ainda perguntam o por que da banda mantê-la no set list.Vai entender.

“Hallowed Be Thy Name” foi outro momento daqueles em que não deu pra segurar as lágrimas, o coro dos presentes no começo da música foi belíssimo e “Iron Maiden” com direito á muitos fogos e a participação de um gigantesco Eddie de 4 metros de altura, fizeram destes os minutos mais fantásticos da minha pequena história como fã de Heavy Metal. Foi simplesmente inesquecível!

Uma pequena pausa e logo eles estavam de volta para o encerramento do show. Os versos declamados em coro pelos milhares de fãs que lotavam o Jockey Club introduziram o clássico “The Number Of The Beast” que junto com a belíssima “The Evil That Men Do” e a pulsante “Sanctuary” encerraram o show do Iron Maiden em Recife.

Final do Show: Amaro, Ronaldo, Eu e Papudo

Ao final da apresentação “Always Look On The Bright Side Of Life” era literal ao nos dizer que valeu a pena. A felicidade estava estampada no rosto de todos que lá estavam, na saída estranhos se cumprimentavam, compartilhavam com quem estivesse do lado a alegria de estar ali naquele momento. Foi tudo perfeito, a organização foi fantástica, pequenos problemas foram realmente pequenos perto da grandiosidade do que aconteceu no Jockey Club de Pernambuco no dia 31 de Março de 2009. Simplesmente entramos para a história. Que venha 2011 !!!

Gostaria de agradecer ao meu amigo Ivan Martins por ter embarcado comigo nessa viagem, sem ele não teríamos chegado em Recife! E agradecer claro, especialmente a todos vocês que acessaram o Blog. Grande Abraço! Valeu!

E vocês? O que acharam do show? Comentem!

Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »