Kiara Rocks no Rock in Rio ao lado de Iron Maiden, A7X e Slayer



A banda paulista Kiara Rocks está entre as atrações confirmadas do Rock in Rio 2013 e toca no mesmo dia de Iron Maiden, Avenged Sevenfold e Slayer no palco principal do festival.

O vocalista da banda, Cadu Pelegrini, brinca com a possibilidade de sua banda protagonizar as mesmas cenas que o percussionista baiano Carlinhos Brown passou na edição de 2001, quando foi “massacrado” pelo público, em noite histórica de vaias e garrafadas, quando abriu o palco por onde passaria os Guns N´Roses.
Tenho assistido muito “Matrix”, para treinar os movimentos quando começarem a jogar coisas na gente
— Vamos tocar antes do Slayer, você imagina? Adoramos o convite, claro, mas imagino que o público vá ao festival ver os caras, o Avenged Sevenfold ou o Iron Maiden, que tocam na mesma noite. Mas tudo bem, nós nos apresentamos em qualquer lugar para onde nos chamam, imagine se não tocaríamos no Rock in Rio. — disse o vocalista da banda em entrevista ao O Globo.

Segundo Roberto Medina, produtor do festival, foi ele mesmo quem escolheu a banda, que conheceu no YouTube. — Achei que era um som legal, uma novidade, que combinava com um dos nossos dias de som mais pesado — disse Medina. — O rapaz tem uma imagem forte, o physique du role certo para uma noite como a do Iron Maiden e Slayer.

Apesar da empolgação pela presença no festival — “ainda estamos meio sem reação”, confessa —, Cadu define o som da banda mais como hard rock do que como heavy metal, gênero dos veteranos americanos e ingleses que completarão a noite de domingo, dia 22 de setembro, a última do Rock in Rio 2013.

— No começo, fazíamos um som até mais comercial, mas agora assumimos de vez a nossa cara, que é a de um hard rock mais pesado — diz Cadu, que fundou a banda há cinco anos com os amigos Juninho (baixo) e Anselmo Fávaro (guitarra). — Eu já tinha cantado em algumas bandas antes, mas fundei a Kiara pensando em fazer um som que não se ouve muito no Brasil, mas que é o que nós gostamos de ouvir. Nosso gênero nunca esteve muito na moda por aqui, como o hardcore e o skate rock, que tiveram momentos de maior popularidade.

Empresariada por Monika Cavalera, que também cuida do Sepultura, a banda está em vias de gravar seu terceiro disco. O primeiro, “Kiara Rocks”, foi lançado em 2010, e o segundo, “Todos os meus passos”, é de 2012 e teve a produção do ex-baterista do Guns N’ Roses, Matt Sorum (The Cult, Velvet Revolver), que também tocou no disco, e participações de Sebastian Bach, ex-vocalista do Skid Row, e Tracii Guns, guitarrista do L.A. Guns que fundou o Guns N’ Roses nos anos 1980, sendo logo substituído por Slash.

— Sou amigo do Tracii e, quando ele veio a São Paulo (o L.A. Guns se apresentou no Brasil em 2010), ficou interessado em dar uma força no disco e nos conectou com o Matt. É muito legal ter o respaldo desses caras, que têm anos de estrada em bandas que são grandes influências nossas, como Guns, Foo Fighters, Black Stone Cherry, Rolling Stones e outras.



Fiel à filosofia do “tocamos-em-qualquer-buraco”, a banda vem amealhando alguma popularidade: o clipe de “Marcas e cicatrizes”, por exemplo, já teve mais de 130 mil visualizações no YouTube. — Temos que tocar com o mesmo empenho para cinco pessoas ou para mil — filosofa Cadu. — Se forem cinco, a gente ganha aqueles cinco, que depois viram 10, e por aí vai.

Fonte: O Globo

SCREAM FOR ME

Igor Soares

Geógrafo e Desenvolvedor Web de Teresina, Piauí. Conheceu o Iron Maiden na adolescência e em 2009 criou um blog para compartilhar notícias de sua banda favorita.

Comentário(s):

....



FACEBOOK

Mais lidas