Critical Mass: Entrevista com Dennis Stratton


Dennis Stratton (Iron Maiden e Praying Mantis) cedeu uma entrevista ao blog Critical Mass. Confira a tradução da entrevista!

Critical Mass: Dennis, obrigado por ter tempo para conversar com o Critical Mass. Eu realmente aprecio isso. Você fez e faz a gravações de músicas e turnês pelo mundo há mais de 30 anos. O que você está fazendo atualmente?  Teremos músicas novas ou excursões chegando em 2012?
Dennis Stratton: Basicamente Chris, já que tocamos em tempo integral na Inglaterra construímos um trabalho regular durante todo o ano, de Natal a Natal. Assim, ao longo dos últimos dois anos, na Inglaterra, eu tenho 3 bandas em que trabalho. Então, basicamente, nós trabalhamos o tempo todo, quinta, sexta, sábado e domingo. Às vezes, feriados. Entre o trabalho regular na Inglaterra, eu viajo muito para a Itália para fazer as Convenções do Iron Maiden por lá. São muitos espetáculos e festivais. E estes podem às vezes me levar para a Alemanha, África do Sul, Bulgária. Então, é uma mistura de trabalho regular em bares e clubes com a banda e uma viagem inesperada para a Alemanha ou onde quer que os festivais ocorram. Então é isso que me mantém ocupado. Isso me dá liberdade de trabalhar com pessoas diferentes. Assim, em 2012 haverá alguns festivais. Acabamos de vir de volta da Alemanha e haverá alguns festivais na Itália, dependendo do que vem no futuro.

CM: Tenho certeza que as pessoas lembram de você como metade do duo de guitarras do Iron Maiden que foi destaque no álbum de estréia auto-intitulado da banda. Como você se juntou à banda original?
DS: Uma das bandas com quem trabalhei na Inglaterra, Remus, na década de 70 assinou contrato com a empresária do Status Quo. E nós fomos em turnê com o Status Quo na década de 70. Nós estávamos residentes em um pub no leste de Londres, The Bridge House em Canning Town. Lá Steve Harris e Dave Murray apareceram para subir e ver-nos tocar. Assim, quando o Iron Maiden assinou um contrato com a EMI,  em 1979, havia apenas 3 deles, Paul (DiAnno) Dave e Steve. Eles estavam à procura de outro guitarrista que podia cantar e um baterista. Então, basicamente eles me pediram para entrar na banda, porque eu tinha muito mais experiência do que eles, porque eu era um pouco mais velho com gravação e turnês. Então, basicamente eu entrei na banda como um quarto membro. Eles pediram para nos juntarmos à Clive e foi ai que a banda se definiu para seguir em frente.

CM: Eu sempre achei que o álbum de estréia do Maiden  foi uma das melhores estréias da história da música. E que nunca Paul Di'Anno, Clive Burr tiveram os merecidos créditos. Quando você olha para trás, o tempo gasto no Maiden, quais são suas memórias favoritas desse período em sua vida?
DS: Sim, o álbum de estréia poderia ter sido melhor. Melhor produzido. Porque era muito apressado. Como eu disse eu entrei na banda e eles estavam esperando para gravar o álbum para a EMI. E eu me juntei a Clive e nós ensaiamos e, basicamente, o álbum foi gravado. Era muito, muito apressado porque nós estávamos reservados para ir em turnê com o Judas Priest. Você dizer que os caras justamente mereciam os devidos créditos... bem, eu acho que você está certo em alguns aspectos. Mas, então, naqueles dias éramos muito jovens e eu acho que se cinco de nós tivéssemos ficados juntos um pouco mais, tudo poderia ter sido um pouco diferente. Sabe, as mudanças no line-up começaram e as pessoas estavam discutindo. Quando eu olho para trás, alguns deles são boas lembranças. Mas eu também tinha muitas lembranças antes do Maiden com Remus e Status Quo. Assim, o tempo curto, os dois anos com o Maiden de 1979 a 1980, há muitas boas lembranças. A turnê do Kiss e tudo mais. E eles ainda são boas lembranças.

CM: Você também tocou na banda Praying Mantis com Paul e Clive, em momentos diferentes. Por que você deixou Praying Mantis? E os irmãos Troy?
DS: Eu toquei com o Praying Mantis. O problema que tivemos lá foi: O Praying Mantis consistia em eu mesmo, Tino e Chris Troy. Mas fui para a banda em 1990 para ir ao Japão e comemorar 10 anos de NWOBHM. E Di'Anno veio com a gente o que foi um pouco errado, mas lá vai... E como Praying Mantis foi junto... bem... ano após ano, a gravadora queria que ficasse com eles e gravasse mais álbuns. Então, basicamente Bruce estava na bateria, Bruce Bisland. Tivemos todos os vocalistas diferentes. Mas eu mesmo, Chris e Tino formavam o núcleo da banda que escreveu todo o material. E nós ensaiamos e gravamos o álbum. Bruce, então, tocou a bateria e, em seguida, gostaríamos de obter uma cantora para fazer o álbum e a turnê no Japão. Di'Anno só veio conosco uma vez, e foi um grande erro. Clive veio como uma dívida para Bruce. Mas eles queriam que nós gravassemos um CD / DVD duplo ao vivo em Tóquio. Ocorreu que Bruce caiu da moto e quebrou o braço. Então, basicamente, nós agarramos Clive e dissemos: "Olha Clive, nós temos essa gravação para fazer." Então, Clive entrou e ele meio que aprendeu as canções. Ele veio ao Japão com a gente e fez a gravação. E, sim, ele estava bem. É uma pena que quando chegamos de volta, Clive então descobriu que ele estava doente e, lentamente, piorou.

Eu ainda mantenho contato com Tino e Chris. Eu estava com Tino e Chris na semana passada no festival Keep It True em Frankfort. Festival incrível, 5.000 (fãs). Eu, Tino e Chris voamos e fomos juntos para o festival. Então, sim, ainda vemos um ao outro. E ainda fazemos shows na Inglaterra comigo fazendo isso... Eu às vezes faço este conjunto Maiden, que é o primeiro álbum com "Wrathchild" incluído. E nós saímos e fazemos de 50 minutos a 1 hora de set. Então, eu ainda vejo os irmãos Troy, porque às vezes fazemos alguns festivais na Inglaterra que eu possa, em seguida, tocar as músicas do Iron Maiden e eles ainda podem tocar as músicas do Praying Mantis .

CM: Depois de tantos anos tocando com um par de bandas lendárias quais são suas influências musicais? E a quanto tempo você toca guitarra?
DS: Eu comecei a tocar guitarra quando eu tinha 16 anos. Eu comecei muito tarde. Naqueles dias era tudo muito difícil porque não havia internet. Não havia sites para aprender a tocar guitarra.Você tinha que se sentar no seu quarto ouvindo um Led Zeppelin e tocar "Whole Lotta Love" apenas tentando encontrar as notas. Eu tenho muitas influências. Muitas das minhas influências vêm da América como Steve Lukather do Toto. E a razão pela qual ele se destaca para mim é por conta dos estilos diferentes que ele toca. Sabe, o Yngwie Malmsteen, bem...você sabe, eles são brilhantes, brilhantes guitarristas. Fantásticos. Mas eles têm um estilo. Considerando que se você ouvir o guitarrista Geoff Whitehorn aqui na Inglaterra e Govan Guthrie eles podem tocar todos os estilos diferentes. Mas para mim Steve Lukather, Neal Schon, que é o tipo de guitarrista, o guitarrista melódico que pode desempenhar diferentes estilos. E estes são minhas minhas influências.

CM: Você foi aprovado pelo Caparison Guitars há muitos anos. Como o seu aval aconteceu?
DS: Sim, eu estou aprovado pelo Caparison Guitars. Foi novamente no Japão. Em 1990, nós (Praying Mantis) fomos até lá, como eu disse. Passamos 15 anos indo e voltando no Japão até 2005, que é quando eu saí da banda. Ela surgiu porque foram convidados por Charvel Jackson para usar suas guitarras quando fomos para o Japão. Então, eles deram-nos uma guitarra Charvel Jackson para cada um. E nós tocamos.  Itaru Kanno nos perguntou se estaríamos interessados ​​em ficar com ela (guitarra) porque ele estava começando esta nova empresa chamada Caparison. E basicamente ficamos com Itaru e nós estivemos com ele desde então. Eu ainda toco as guitarras Caparison. Como eu disse, eu fui para os Estados Unidos em 2004 com os caras em uma Metal Fest. E quando voltei, foi dito por Tino e Chris que a gravadora em Tóquio, Pony Canyon, tinham uma espécie de estúdio fechado. Então, nós não temos uma gravadora. E, sabe, nós estamos sentados fazendo nada. Eu ainda tenho meu trabalho regular, ainda faço de Natal a Natal na Inglaterra, como eu já disse. E as coisas começam a secar, então você não pode se sentar e acomodar-se. Então, o que eu fiz foi, eu disse para Chris e Tino "Olha, se nós não estamos fazendo qualquer coisa, eu vou chegar lá e tocar com algumas pessoas diferentes." Então, é isso que eu venho fazendo. E é aí que todos estes shows da Itália vieram e Alemanha. Sabe, eu faço o set Maiden em diferentes festivais. Eu saio como convidado especial em um lote destes festivais. E é ótimo. E como eu disse ainda somos amigos, então não há um problema. Então, sim é assim que chegamos a obter Caparison.

CM: Qual o equipamento que você usa agora, quando você toca ao vivo? Você pode nos dar alguma informação sobre seu equipamento atual?
DS: Bem, eu ainda tenho os antigos Valvestates Marshall. Eu tenho dois deles. Os Valvestates Chorus antigos estéreo. E eles são apenas velhos ampères, mas eles fazem o trabalho. Então, eu tenho o ME5 velho, que tem cerca de 40 anos de idade agora. Mas é o som que eu uso. No pub eu posso usar uma unidade de reverberação pouca só para me dar um pouco mais de espaço com os solos. Mas, sim, é principalmente o Valvestate Marshall eo ME5.

CM: Existe um site onde os fãs podem obter notícias atualizadas sobre o que você está fazendo, obter datas de show e comprar algum merch?
DS: Bem, eu tenho um site, como você pode ver se você colocar meu nome no Google. Mas, para ser honesto com você eu não me concentro muito no site, porque, para mim, o Facebook pode ser um amigo muito bom se você usá-lo da maneira certa. Basicamente, eu tenho um monte de amigos e um monte de contatos através do Facebook. Assim, quando as pessoas tiram fotos de como quando voltamos da Alemanha no fim de semana, há cerca de 40 fotografias de lá de fãs, o que é bastante fácil, porque eles podem colocar as imagens em si. Eu às vezes deixo mensagens no Facebook. Eu não respondo mensagens no Facebook, porque há muitos e eu sou muito ocupado para sentar ao computador o dia todo. Meus dedos não funcionam tão rápido. Então, eu não posso me sentar em um computador o dia todo respondendo a centenas de perguntas. Então, eu realmente disse sobre Facebook "por favor não deixem mensagens", mas eles ainda o fazem. Mas como eu digo, é muito bom porque as pessoas sabem onde eu estou tocando, eles podem postar fotos de lá, e os fãs podem manter contato. Então, é uma maneira mais fácil de trabalhar. Assim, o Facebook é o único a ir comigo.

Fonte: Critical Mass
Tradução: IMB Notícias
Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »