Blaze Bayley: "Eu amo a voz do Bruce Dickinson"


Blaze Bayley voltou a falar de sua passagem pelo Iron Maiden em entrevista para a Eonmusic. Confira alguns trechos.

Como é para você ouvir agora o "X Factor" e o "Virtual XI" agora; você ouve um homem com muito peso nos ombros?

"Não, é uma coisa normal. O horrível das gravações é que as músicas são tão novas, você faz o possível para acertá-las e depois as grava da melhor forma possível, mas durante a turnê, é como se as pontas fossem arredondadas. Elas começam a parecer como um jeans confortável e você começa a se sentir realmente confortável com ele. Tudo isso acontece durante a turnê, e você não teve essa sensação quando as gravou, e acho que é por isso que muitos músicos - incluindo eu, e sei que Steve Harris sente o mesmo pois conversamos sobre isso muitas vezes - gostam da sensação de gravar aquele álbum ao vivo. 25 anos depois, existe uma profunda familiaridade com as músicas e tenho mais confiança do que tinha naquela época. Então, é como encontrar velhos amigos, tirar o pó e é muito, muito prazeroso quando os fãs vêm e dizem "Eu queria ouvir você cantar isso" e muitas vezes eles sabem que nunca verão o Iron Maiden tocando aquela música ao vivo."

O que você sente agora quando vê o Iron Maiden tocando as músicas que você originalmente cantou, na turnê global "Legacy of the Beast"?

"É fantástico. Eu absolutamente amo a voz do Bruce Dickinson; ele tem sido um grande apoiador, antes, durante e depois do Iron Maiden. Sua voz é a marca do heavy metal; esse é o epítome do que é cantar heavy metal. Bruce sempre disse que nunca teve nenhum problema em cantar alguma coisa da minha época, e pra mim, o que é muito legal é que esses dois álbuns são obviamente considerados tão importantes quanto outros álbuns do catálogo da banda. E o fato dessas duas grandes e lindas músicas ['The Sign of the Cross' e 'The Clansman'] fazerem parte do set list do Iron Maiden agora é fantástico, e tenho muita sorte de ser parte disso."

Fonte: Whiplash.Net


Tecnologia do Blogger.