David Ellefson: 'O Iron Maiden trouxe o metal até mim'



O baixista do Megadeth, David Ellefson, acaba de lançar sua autobiografia, “My Life With Deth – Discovering Meaning In A Life of Rock & Roll”. O livro foi escrito à quatro mãos com a colaboração do autor Joel Mciver e tem seu prefácio cunhado por Alice Cooper.

Nacho Belgrande do blog Playa Del Nacho traduziu alguns trechos do livro onde o baixista fala sobre a importância do Iron Maiden e de Steve Harris em sua formação como músico e na gênese do Megadeth. Confira!



David Elleson - “My Life With Deth – Discovering Meaning In A Life of Rock & Roll”
Compre na Amazon: http://amzn.to/1f4FgAG

[...] Como é a abstinência da heroína? Bem, é como estar muito gripado, ao mesmo tempo em que você sabe que, caso você pudesse só sair e comprar, você ficaria melhor em de três a cinco minutos.

Seu estômago fica embrulhado, você tem dores em todo canto, e é simplesmente horrível.

Era assim que eu estava me sentindo no dia 20 de Agosto de 1988, enquanto a minha banda, o Megadeth, estava voando para a Inglaterra para tocar para 107 mil pessoas no renomado festival Monsters of Rock em Castle Donington. Eu deveria estar me sentindo no topo do mundo. Ao invés disso, eu estava em um inferno que eu mesmo havia construído.

Chegamos à Inglaterra e subimos no ônibus para o show, a cerca de duas horas ao norte de Londres. Eu tive que me livrar do meu bagulho no avião antes de eu chegar à imigração do aeroporto de Heathrow, e a inevitável abstinência me pegou com um soco no estômago. Eu fui para o hotel e fiquei tão doente que todo mundo acabou descobrindo. Todo mundo estava chocado. Eu era um viciado tão competente – tão liso. “Seu noiado americano!” disse o médico.

Quando saí do palco, eu estava tão doente que eu só fui pro ônibus.

Isso estava tão distante de onde minha história começara… [...]

[...] Eu ouvi o Iron Maiden e percebi que Steve Harris era o baixista, compositor e também líder da banda, o que mudou minha concepção sobre o papel de um baixista em uma banda. Eu vinha escutando Geddy Lee, do Rush, e muito, e eu estava tocando na banda de jazz da escola também. Eu estava tendo aulas de baixo com nosso instrutor da banda de jazz, Bob, que era um conhecedor experiente de jazz e um baterista muito bom. Você notava que ele já tinha feito vários shows antes de se tornar professor. Ele tinha cabelo comprido, e ele aparecia pro ensaio da banda de jazz às 7 da manhã, antes da aula.

Assim começaram os estudos formais sobre jazz para mim e um amigo, Ethan, com o qual eu vinha de carona da fazenda naquelas manhãs. Ethan era um grande músico, e tinha sido a mãe dele quem me dera as primeiras aulas de órgão Wurlitzer durante a quarta série, no que foi minha primeira introdução oficial à execução musical. A banda de jazz de fato me fazia sentir melhor a respeito de música de alguma maneira, como se fosse rock n’ roll de outro gênero. Bob me fez gostar de Spyro Gyra e Weather Report, com o baixista incrível deles, Jaco Pastorius. Eu tinha visto Stanley Clarke tocar no [programa televisivo] “The Midnight Special” na casa de Greg anos antes, então eu já manjava um pouco de tocar jazz no baixo.

Bem nessa época, [o filme] “Rocky – Um Lutador” foi lançado, e Maynard Ferguson, o trompetista, escrevera a música do filme. Numa noite de outono, Maynard tocou numa cidade vizinha, Windom, Minnesota, então Ethan e eu fomos vê-lo. Apesar de eu curtir Rush e música progressiva, eu nunca, tinha ouvido música tocada daquele jeito antes. Parecia impossível para mim ser tão sobre-humanamente bom daquele jeito. Todo mundo na banda dele era inacreditavelmente foda. O baterista do Weather Report, Peter Erskine estava na banda dele, além do baixista Gordon Johnson, de Minneapolis, que me derrubou com o jeito fluído de tocar. Por mais que eu respeitasse o Rush no domínio do rock n’ roll, de repente eles pareciam músicos do jardim de infância comparados com a banda de Maynard. [...]

[...] Eu estava completamente bitolado com Iron Maiden na época. Eu fui até Minneapolis para ver eles tocarem com o Scorpions e o Girschool. Deve ter sido em 1982, e eu soube que era aquilo que eu queria fazer. Definitivamente, era o meu futuro tocar o estilo mais novo de metal. O Maiden trouxe o metal até mim. Não era afeminado nem cheio de brilho; era legal e acessível. O que eles fizeram na New Wave of British Heavy Metal fora muito similar, nesse sentido, ao que o Megadeth faria depois no Thrash Metal, no sentido de que era música inspirada por uma honestidade autêntica no nível das ruas. [...]

[...] Cara, eu odiava Los Angeles. Eu tinha visto a cidade na TV, e parecia linda; mas quando eu cheguei lá, eu achei uma armadilha. Havia tráfego demais e gente demais. Vindo de uma fazenda na área rural de Minnesota para Hollywood, aquilo não poderia ser uma guinada maior na minha vida. Fiquei puto, mas não podia ir pra casa a menos que eu quisesse botar o rabo entre as pernas e ser um fazendeiro, o que eu não estava preparado par afazer. Eu nunca pensei em nenhuma outra carreira além de música e estrelato no rock.

O único contato que qualquer um de nós tinha em Los Angeles era uma mulher chamada Alvira, que era de uma cidade vizinha à nossa em Minnesota. O sistema de referências dos apartamentos do Bass Institute of Technology tinha nos ligado a ela. Alvira era de Mountain Lake, uma cidade a cerca de uma hora e meia de lá. Vendo agora, eu gostaria de achar que deus, de algum modo, armou tudo aquilo. Ela tinha um prédio de apartamentos que ela administrava com o marido no número 1736 do setor note da Sycamore, em Hollywood, na intersecção de Hollywood Boulevard com Sycamore, perto de La Brea e a duas quadras do Teatro Chinês. Foi pra lá que Greg, Brad, Brent e eu nos mudamos direto das lavouras de milho da zona rural de Minnesota. Greg e eu tínhamos um apartamento e os outros caras ficavam no apartamento ao lado. Entramos em nosso apartamento por volta de 1 de Junho de 1983. Queríamos começar a conhecer gente, e um dia, Brad disse, “Eu vi um cara andando por aí. Ele tinha cabelo comprido loiro e estava descalço, e ele parecia ser do rock!” Decidimos tentar conhecer esse sujeito; talvez ele pudesse virar nosso amigo.

Alguns dias depois, Greg e eu acordamos em nossa pequena kitchenette e começamos a tocar umas músicas. Eu estava tocando a introdução de “Running with The Devil”, do Van Halen, às 9 ou 10 da manhã, quando de repente ouvimos um “Cala a boca” bem alto.

Algo despencou e se despedaçou em nosso ar-condicionado. Fomos ver e era um vaso de flores feito de cerâmica. Paramos de tocar. Meu primeiro pensamento foi, “As pessoas em Hollywood não são muito amigáveis, né?” Onde crescemos, na fazenda, deixávamos as chaves no carro e nossas casas destrancadas, e as pessoas apareciam na hora em que quisessem. Todo mundo se conhecia, e era bem, “vem do jeito que você estiver”. Agora eu estou em Hollywood – e essa é minha primeira apresentação a meus vizinhos.

Dali a um dia, mai sou menos, Brad confirmara que o cara loiro descalço era o cara que morava em cima da gente. Daí, numa noite, um ou dois dias depois, subimos e batemos à porta. Ouvimos música do outro lado da porta e pensamos, “Só pode ser ele.”

Dave Mustaine entreabriu a porta, ainda com a corrente presa, olhou e nos deu o infame risinho Mustaine. Ele estava com uma taça de vinho ou conhaque na mão e disse, ”Quem é?”

Eu disse, “Hey, hm, nós moramos no andar de baixo. Você sabe onde podemos comprar cigarros?” ele fez uma cara esquisita e disse, “desce a rua, fica na esquina”, e bateu a porta na nossa cara.

Ficamos parados ali e Greg disse, “Era esse cara mesmo – mas não deu muito certo. Vamos tentar de outro jeito”. E batemos à porta de novo.

Ele entreabriu a porta novamente. “O que foi?” perguntou Mustaine, visivelmente incomodado.

E a gente, “Hey, você sabe onde a gente pode comprar umas cervejas?”

Ele ficou parado um minuto. Daí, percebendo que apesar de parecermos meliantes, éramos pessoas bastante inofensivas que só queriam ficar de boa, ele finalmente tirou a corrente e disse, “Beleza, entrem”.

Apesar de Dave parecer arisco no começo, ele nos fez sentir em casa. Tinha um cara lá chamado Lor, um cara grande, alto, de cabelo preto, de óculos escuros, parecido com Nikki Sixx – era um cara com quem Dave estava trabalhando em algumas músicas novas.

Ele tinha uma aparência sombria e ameaçadora, mas era na verdade um cara amigável. O colega de apartamento de Dave, Tracy, também estava lá. Tinha música tocando, e acabou sendo uma noite bastante casual e sociável.

Decidimos descer até a loja de bebidas da esquina de Hollywood Boulevard com Sycamore, onde Dave – que já tinha a idade legal para se beber na Califórnia, 21 anos, enquanto todos nós tínhamos dezoito – pegou uma caixa de Heineken para todos nós. Eu notei que enquanto andávamos de volta para o apartamento, ele com seus chinelos e cabelos comprido, Dave tinha um visual típico de surfista californiano.

Ele estava com a caixa de cerveja em seu ombro, e ele nos contava histórias sobre uma banda na qual ele estivera chamada Metallica, da qual nunca nenhum de nós jamais tinha ouvido falar, mas ele era um bom contador de histórias, e estávamos de olhos grudados nele, maravilhados.

Apesar de essa história vir com um tom de voz raivoso e ressentido quando ele mencionava o Metallica, você podia notar que ele tinha orgulho de seus feitos com eles e que ele já tinha sido tarimbado razoavelmente pelo show business. Eu estava intimidado, mas também impressionado. Tendo minha própria experiência ao longo de vários anos tocando em bares do meio-oeste e em salões de baile,eu fiquei intrigado em aprender como a cena funcionada nos níveis mais altos, onde eu logo descobri que Dave era uma celebridade estrela do rock.

No apartamento, Dave tinha dois stacks de Marshalls e uma guitarra B.C. Rich Bich, que ele tinha trazido no ônibus de Nova Iorque depois de seu período na cidade com o Metallica alguns meses antes. Ele tocou algumas músicas para nós.

Uma estava sem nome, e que acabaria sendo “Devil’s Island”, no [álbum] “Peace Sells… but Who’s Buying”, e essencialmente a primeira música pós – Metallica, “Megadeath”. Essa seria rebatizada posteriormente como “Set The World Afire”, mas não seria lançada até o disco “So Far, So Good, So What!” em 1988. Ela fora inspirada em sua viagem de ônibus de volta de Nova Iorque, quando ele tinha visto uma frase num santinho de um senador pela Califórnia, Alan Cranston, que dizia, “Os arsenais da megamorte não podem ser descartados”, querendo dizer que os EUA tinha fabricado tanto poder de fogo nuclear que não conseguiríamos nos livrar dele, não importa o que fizéssemos. Essa era a base da música.

Eu me lembro de ouvir aquelas músicas e pensar, “Wow!”. Era um tipo de música muito pesada, única e assustadora porque era tão sombria. Imediatamente, ali, havia algo extremamente arrebatador a respeito de Dave e sua música. Enquanto ele se portava com o ar de meu ídolo de adolescência, David Lee Roth, do Van Halen ele possuía habilidade modernas que iam um passo além da New Wave of British Heavy Metal que me inspirara poucos anos antes. Com certeza, ele era pra valer.

No dia seguinte, Greg estava muito entusiasmado. Ele dizia, “Temos que tocar com esse cara! Vamos subir lá de novo e colar nele”. Mas eu estava pensando, “Cara, eu estou bem abaixo do padrão daqui.” Eu sabia que era um bom baixista, mas tocar com aquele cara seria um baita salto na minha vida, o que não se tratava somente de tocar as notas no baixo. Eu estaria me elevando a um novo patamar, em termos de estilo de vida, e musicalmente também.

Mas Greg insistiu. Ele era bocudo e marrento, rebelde com seus pais, e sempre metido em encrenca na escola. Claramente, ele era perfeito para o rock n’ roll. Eu, por outro lado, era mais comportado porque eu tinha sido criado em um lar muito diferente. Sem Greg, eu não sei se teria tido a cara dura de chegar a bater à porta de Dave.

As aulas no BIT não começariam por mais oito semanas, o que me deu tempo para me situar em Los Angeles, achar um emprego de meio período e dar certa estabilidade a minha vida.Mas essa manobra para colar em Dave foi como um curso intensivo em showbiz apenas uma semana depois de o ensino médio ter acabado, e mudou instantaneamente o rumo da minha vida, possivelmente para sempre. Por mais assustado que eu estivesse, eu sabia que tinha que fazer aquilo.

Quanto a Dave, ele estava nos avaliando. Ele é bem perspicaz para julgar o caráter alheio, e por mais que pensássemos que fossemos uns molambentos boa-praça, eu acho que ele sacou que éramos dois molecões bem inofensivos fazendo nosso melhor para nos passarmos como metalheads vindos da roça.

Mas não tinha mais volta. Alguns dias depois, estávamos com Dave e tocando algumas músicas juntos. Dave tinha outro cara lá, chamado Matt Kisselstein, um garoto de Beverly Hills que estava tocando baixo. Matt era baixista fazia um ano e eu gostava dele, mas ele eventualmente admitiria que fazia sentido que eu fosse o baixista. Na verdade, quando passamos por Dallas na turnê do álbum “Risk” em 1999, em uma estação de rádio que visitamos, Matt estava trabalhando na administração. Ele conseguiu fazer aquilo no que ele era bom, assim como eu. Rimos muito sobre o modo que as coisas acabaram acontecendo.

Desde o começo, Dave estava formulando meticulosamente as ideias para uma nova banda, sua primeira empreitada pós-Metallica. Aquela não era uma situação aleatória de tirar um som. Dave estava criando algo totalmente novo, e ele estava determinado a ser o chefe e ficar no comando. Na maioria de minhas bandas em Minnesota, eu tinha ficado totalmente no comando; mas essa mudança agora exigia que eu fosse subordinado a Dave, o que não era fácil, graças à minha postura de assumir o comando. Mas essa não era música que você pudesse ouvir vindo de nenhuma outra banda naquela época.



Eu vinha tocando baixo majoritariamente com os dedos, apesar de eu tocar com palheta também. Eu tinha moldado meu estilo baseado nem Steve Harris no começo do Iron Maiden e em Bob Daisley do Rainbow e da banda de Ozzy Osbourne – ambos diferentes em estilo do que a música de Dave exigia.

Apesar da curva de ensino, Dave dizia, “Você com certeza é um bom baixista. Você tem pegada e sabe o que está fazendo” – o que se traduzia como “eu poderia trabalhar com você”.

Outro incentivo para me trazer para dentro da banda foi o fato de eu ter uma van, então agora Dave tinha um meio de transporte. Eu não o culpo por isso, e em defesa dele, ele era engenhoso, um talento que eu aprendi rapidamente com ele de modo a sobreviver no meio artístico de uma cidade grande. A personalidade de Dave me ofuscava bastante. Porque a banda era a visão dele, e estávamos juntos como uma equipe no começo, eu estava bem à disposição da banda e de meus afazeres nela, o que às vezes atingia minha autoestima. Por muitas vezes eu quis uma vida própria, de modo que pudesse crescer por mim mesmo; mas enquanto estivéssemos moldando o gesso do grupo, isso não ia acontecer. A minha vida simplesmente não pertenceria a mim nesse estágio do jogo. [...]

Fonte: Playa Del Nacho | Whiplash.Net
Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »