Lokaos: Edu Falaschi revela bastidores do concurso para entrar no Iron Maiden



O vocalista Edu Falaschi (Almah, Angra) concedeu uma longa entrevista ao Lokaos e falou dentre outros assuntos sobre a sua participação no concurso que escolheria o novo vocalista do Iron Maiden. Edu falou sobre os bastidores do concurso, onde concorreu com Andre Matos (Viper, Angra, Shaman), e deixou claro que tudo não passou de uma grande ação de marketing do Iron Maiden.

Lokaos: Quando teve o concurso pra eleger o novo vocalista do Iron Maiden, você chegou a ser um dos finalistas aqui no Brasil. Em algum momento você acreditou que aquilo poderia rolar mesmo, ou você sabia, ou imaginava que era um jogo de marketing, pra promoção da banda... o que acabou até ajudando você também. Você chegou a ter esperança de entrar na banda? 

Edu Falaschi: Então, isso foi um negócio meio engraçado, quem promoveu isso foi a MTV junto com a Rádio 97, que era Rádio Rock na época. MTV que infelizmente agora acabou também, era um canal de TV que falava muito sobre música, na verdade só falava de música, tinha os clipes e tal... e eles sempre direcionavam a gente "Olha, vocês vão falar que tem chance...", davam a dica pra gente falar nas entrevistas, e eu apesar de ser muito novo naquela época, eu já tinha o pé no chão. Eu sentia até vergonha de falar "Eu acho que posso entrar no Iron Maiden", era uma coisa absurda entrar no Iron Maiden, um moleque do Brasil, então, eu não falava.

Eu aproveitava a situação, quando me perguntavam isso, eu falava na TV: "Não acredito que seja uma coisa real, eu acho que é um jogo de marketing, mas eu to aqui aproveitando a oportunidade, agradeço muito a chance" e pegava um disco do Mitrium, que a gente tinha lançado, e falava "Mas eu quero mostrar minha banda e tal", os caras ficavam loucos comigo".

Mas como sempre, a galera mais nova que me conhece hoje em dia, que vê minhas entrevistas, sempre falando o que eu realmente penso, sem fazer nenhum tipo de joguinho, ou usar algum tipo de máscara, eu sou bem verdadeiro... eu já era assim desde aquela época, então eu realmente falava o que eu sentia, porque eu achava que não tinha nada a ver.

Mas também acontecia o contrário, tinha um deles, eu não vou falar quem era, que falava muito "Não, eu acho que tenho chance" ...e uma vez o cara contou uma história pro Estadão, foi a maior vergonha, o cara perguntou se ele achava que tinha chance, e ele falou "Essa noite eu tive um sonho, e nesse sonho eu tava conversando com o Steve Harris, e ele ia me contar um negócio", aí ele parou e disse que não ia contar o sonho, por que todos iam ficar sabendo pela história mesmo (risos). Tipo assim, o Harris ia falar que ele entrou no Maiden, e a galera depois ia ficar sabendo pela mídia, que ele entrou. Quando eu vi, pensei, "não fala isso" (risos), vergonha total.



Então, mas era cada um por cada um, eu sempre fui cético com as coisas, bem pé no chão mesmo, apesar deu ter tido realmente um contato, eu falei com o Dick Bell, que era um cara da produção do Iron Maiden, que depois eu reencontrei quando teve Angra, Dream Theater e Iron Maiden, eu falei: "Eu sou o Edu do Angra, eu sou do Brasil, na época eu era de uma banda pequena, teve o concurso do Iron Maiden", expliquei tudo, aí ele lembrou. Na época não tinha e-mail, aí eles mandavam fax, a gente se falava por fax, e algumas vezes ele ligou, eu falava super mal inglês na época, eu era muito novinho, aí o cara que era da Army Records, minha gravadora, falava com ele pelo telefone, era como se eu não quisesse falar por telefone (risos), mas eu nem falava inglês direito, não tinha como entrar no Iron Maiden.

Lokaos: você tem o fax ainda?

Edu Falaschi: Eu tinha esse fax, mas o fax apaga né, o papel vai sumindo a tinta, mas eu fiz cópia desse documento, e eu tenho guardado.



Lokaos: Eles fizeram tudo isso, pra escolher o Blaze Bayley, pelo amor de Deus! (Risos) 

Edu Falaschi: Então, na verdade eu acho que já estava certo, fizeram isso tudo pra ter esse impacto né, o Iron Maiden sempre foi muito bom de marketing. E eu realmente acho que o Blaze não foi a escolha certa, apesar de que no Wolfsbane ele era bem legal, a carreira solo dele também é legal, mas no Maiden não funcionou porque era muito diferente a voz, ele cantava Hallowed Be Thy Name 1/8 abaixo, cara isso dava uma dor de barriga.

ASSISTA ABAIXO A ENTREVISTA COMPLETA



Fonte: Lokaos
Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »