Steve Harris: até quando o Iron Maiden vai continuar?

John Doran do TheQuietus.com conduziu uma entrevista com o baixista do Iron Maiden, Steve Harris. O músico falou sobre seu projeto paralelo British Lion e sobre o futuro da Donzela de Ferro. Confira a tradução na íntegra!

The Quietus: Eu gostei de ouvir a influência de bandas como UFO e Blue Oyster Cult em British Lion...

Steve Harris: Você é a primeira pessoa a mencioná-los, mas eu sempre amei o Blue Oyster Cult. Antes do Maiden, minha banda Smiler tocava um cover de The Red And The Black.

The Quietus: Por que mais rock que metal?

Harris: Essa era a ideia original. Suponho que o Iron Maiden evoluiu para ser um grupo de metal, mas originalmente sempre vimos a nós mesmos como sendo uma banda de rock pesado com muita melodia. Ao longo dos anos como bandas mais hardcore e extremas vieram eles fizeram-nos soar mais como The Moody Blues! [risos] Mas, efetivamente, quando começamos éramos uma banda de rock pesado e British Lion não está longe disso.

The Quietus: Normalmente os projetos paralelos levam uns 6 meses para serem produzidos. O British Lion deve ter o período de gestação mais longo de qualquer álbum paralelo na história.

Harris: “Provavelmente sim (risos). Nós de fato demoramos mais para fazer este álbum do que o Guns n’ Roses com o “Chinese Democracy”. Você pode afirmar que estes projetos paralelos geralmente são feitos em 6 meses, mas eu infelizmente não tenho este tempo disponível. Como algumas das pessoas podem perceber eu sou a pessoa mais ocupada do Iron Maiden e tem sempre muita coisa acontecendo. Seria uma mentira dizer que este álbum foi mesmo feito em um ritmo mais calmo... ele foi feito no ritmo de um caracol, um pouco aqui e um pouco lá. Mas como tinha que acontecer.”

The Quietus: E é claro que você não estava trabalhando o tempo todo, porque houve uma grande pausa no meio.

Harris: Originalmente, voltando no tempo, eu estava trabalhando no escritório de um arquiteto e eu conheci um cara lá que era realmente rock n' roll. Mais tarde ele me deu uma fita, e ele tinha grandes canções e bons músicos tocando ali. Originalmente estava apenas tentando realmente ajudar a banda. Então, comecei a administrá-los no início dos anos 90 e fiquei mais envolvido com eles até que fui produzi-los também. Infelizmente, como de costume, diferenças musicais e Deus sabe lá mais o que, e eles ficaram pelo caminho. Havia muito pouco que eu poderia fazer para interromper a implosão. A melhor coisa que aconteceu foi termos a ideia de fazer algo juntos no futuro – e foi isso que aconteceu.

The Quietus: British Lion não é diferente do material inicial do Maiden, essencialmente no estilo de música escrita pelo menos. Mas há algo que é muito diferente. Parte do sucesso do Iron Maiden vem do apelo à imaginação e mesmo se as músicas são compostas em uma situação da vida real como durante a primeira guerra mundial ou do antigo Egito, elas são principalmente sobre fantasia e usam sua imaginação. Em British Lion você parece estar lidando com as lutas do dia-a-dia na vida. Temos Richard cantando para si mesmo ou para toda a banda?

Harris: Bem são ambos realmente. Trabalhamos juntos nas canções. Ele usa seu coração um pouco mais do que eu. Eu escrevo sobre algumas dessas coisas, às vezes, mas tendem a disfarçar-se em pequenas histórias. Eu acho que se você mergulhar um pouco mais profundo no material do Maiden, está lá, mas talvez seja mais óbvio para mim. British Lion é um pouco mais aberto nas letras. Você vai entender Us Against The World se você torcer por uma equipe de esportes. É a vibração que você sente e que faz você se sentir invencível. É um sentimento muito forte e poderoso que pode inspirá-lo a lutar e vencer algo, mesmo quando parece que tudo está contra você.



The Quietus: Você vai tocá-lo ao vivo?

Harris: “Eu adoraria tocar o disco ao vivo. Eu acho que devemos esperar para ver qual foi a primeira reação. Eu nunca aceito nada de bom grado eu adoraria começar com alguns shows pequenos em cidades-chave na Europa e ver o que acontece. Obviamente seria muito estranho, visto que não fazemos nada pequeno por anos.”

The Quietus: Quando foi a última vez que você realmente se sentiu angustiado por tocar em frente do público? Você deve estar acostumado a grandes plateias agora. Seria mais assustador tocar em frente a um publico mais íntimo? Seria uma adrenalina maior?

Harris: “Bem, eu não tenho certeza, mas sim. Posso imaginar que assim que você sai da zona de conforto do Maiden, você não sabe o que esperar. Eu ainda fico um pouco nervoso no início das turnês, mas é em grande parte por causa do novo material. Nós ensaiamos, mas você pode ensaiar o dia inteiro, mas os primeiros shows sempre são meio enferrujados. Assim que você pega a confiança não importa muito mais. Anos atrás eu costumava me preocupar se as pessoas iam ser positivas ou não. É diferente agora. Eu não espero que todo o show tenha lotação esgotada, mas você sabe que terá uma certa quantidade de pessoas.”

Seria um pouco assim com o British Lion. As pessoas dizem, 'Ah, você vai ficar bem. "E eu digo,' Bem, está tudo muito bem dizer isso, mas você não pode esperar que as coisas sejam do seu jeito e nem deve ter nada como certeza."

TheQuietus: Qual foi o pior medo que você já teve no palco, tocando em um show?

Harris: Novamente, isso seria durante o início de tudo... os piores momentos que me lembro são realmente dos shows nos pubs do leste de Londres. Alguns dos nossos fãs nos acompanhavam para todo lugar, mas então de vez em quando nós íamos tocar em algum lugar fora do habitual e estávamos ferrados, 'Deus espero chegar logo.' Você estava mais preocupado com esse lado das coisas do que realmente tocar. Essas foram as vezes que me lembro ter medo mais fisicamente. Você sabe, nós tivemos shows no começo onde ninguém apareceu. Estou pensando especificamente em lugares como o Double Six em Basildon ou Lafayette em Walthamstow. Em que um havia mulheres trocando socos no bar e nós conseguíamos ver tudo claramente, porque não havia quase ninguém lá. Apenas duas mulheres lutando! Eu acho que há um pouco de medo com British Lion, mas isso que é interessante nele.

TheQuietus: Eu queria falar com você sobre o leste de Londres, você deve ter assistido com interesse o que estava acontecendo em sua antiga casa até aos Jogos Olímpicos.

Harris: Para ser honesto, me mudei para fora do leste de Londres para Essex, 27 anos atrás. Lembro-me de pensar quando eu tinha 19, que moraria lá para sempre. Eu me lembro de dizer para alguém: 'Nunca deixarei Leytonstone.' Ha ha ha! É estranho, mas quando me mudei para fora de Londres - e eu tenho que ser honesto. Realmente eu não a esqueci. Quer dizer, não fui para muito longe, assim eu poderia visitar sempre que eu quisesse. E eu tinha uma avó que morava lá até que ela faleceu e gostava de visitá-la, mas realmente não voltaria para lá. Posso passar lá agora, mas é estranho. Eu conheço o lugar como a palma da minha mão. Às vezes meus filhos me telefonam quando seu GPS não está funcionando direito ou algo parecido. Eu sou como um taxista, posso dizer-lhes por onde ir.

TheQuietus: Quando me mudei para Stratford, há 15 anos, havia uma história na capa do Newham Recorder, de que um homem foi esfaqueado no "The Swan" e uma enfermeira que estava passando comemorava por ter feito uma traqueostomia de emergência nele com a faca que costumavam cortar limões nos fundos do bar e uma caneta esferográfica. Foi difícil quando você morava lá?

Harris: Eu não acho que foi realmente tão ruim. Não lembro de ter acontecido nada parecido. Havia certas partes de Londres que eram um pouco perigosas, mas realmente para mim, não parecia ser algo generalizado. Talvez seja porque quando você vive em um lugar, você não percebe os problemas.

TheQuietus: Como foi o seu primeiro show no Cart and Horses em Stratford em 1976?

Harris: Na verdade, foi muito bom. Nós apenas levamos algumas pessoas, família e amigos e havia alguns frequentadores regulares. Eu não gosto de deixar as coisas ao acaso, por isso eu colei alguns cartazes e então estava cheio. Houve um pouco de uma zona de conforto para nós, com a casa lotada - sempre se torna muito mais fácil. Se você está jogando em um lugar vazio, se torna quase impossível. Eu não consigo entender a mentalidade de pessoas que não promovem seus shows. Eu sempre pergunto para as pessoas: 'Você já anunciou, colocou no jornal local, colou cartazes, distribuíram panfletos? Como você espera que as pessoas venham se você não faz isso?" Naqueles tempo, não havia internet, você tinha que fazer. Não leva muito tempo e esforço. É incrível a quantidade de pessoas que não se incomodam.

TheQuietus: Você sempre disse que você não tinha nada a ver com o punk, mas você compartilhou da mentalidade "do it yourself" com eles não foi?

Harris: Eu não compartilhei com eles. Eu não compartilharia nada com eles, pois os odiava! Eles estavam tomando nossos shows. Eles chegaram - eles eram juvenis - e a maioria deles não podia sequer tocar os seus instrumentos, era chato. E a maioria deles estava recebendo shows e publicidade e nos deixaram de fora. Então nós tivemos sorte de ter alguns lugares onde podíamos tocar como o Cart and Horses, The Ruskin Arms em Stratford e The Bridgehouse em Canning Town. Foi muito, muito difícil. Então, não, nós os odiávamos, odiávamos o que eles estavam fazendo. Não tínhamos nada em comum com eles. A maioria deles parecia ser de garotos ricos que estavam apenas a falar besteira sobre ser jovem e se fazendo de famintos. Eles não eram reais no que pregavam.

TheQuietus: Nos anos 70 você recebeu uma proposta para cortar seu cabelo e colocar calças bondage?

Harris: Ah sim, com certeza. Houve uma gravadora que nos convidou para fazer um show em Fulham. Depois eles disseram: 'Você tem algumas boas canções, mas o que você realmente precisa fazer é cortar o cabelo e usar roupas diferentes.' Eu apenas ri deles. Eu disse a eles que meu pai até então nunca nunca tinha dito uma palavra sobre o meu cabelo, então não havia nenhuma maneira daquilo acontecer: "Nós não vamos mudar por ninguém. Nós somos o que somos. Você nos colocou aqui por quem somos - Se você não gostar, será difícil, porque nós não vamos mudar". As pessoas fazem parecer como se fosse algum tipo de coisa desafiadora, mas era muito fácil dizer não para esse tipo de coisa. Se algo parece errado é errado.



TheQuietus: Quando você percebeu que o heavy metal estava se tornando popular outra vez?

Harris: Quando estávamos fazendo shows em bares como o Cart and Horses por volta de 76, basicamente estávamos levando pequenas multidões que foram ficando maiores. Estávamos tocando nossas próprias coisas e se fazíamos um cover, fazíamos algo realmente obscuro, para que as pessoas provavelmente pensassem que essas canções fossem nossas de qualquer forma. Você pode ir a um show e ver bandas covers, então em qualquer lugar todos estariam tocando as mesmas músicas. Nós queríamos fazer algo realmente diferente. Assim, desde o início tivemos uma sequência pesada sempre. No começo fizemos as nossas próprias camisas, os nossos fãs estavam fazendo suas próprias camisas com os nomes de nossas músicas... Foi muito impressionante o que estava acontecendo. Nós fomos tocar em algum lugar como The Harrow na Ripple Road, Barking - que não é o lugar mais fácil para chegar ou partir - e havia fãs que nos acompanharam até lá. E estas eram pessoas que realmente não tinham muito dinheiro, eles não poderiam simplesmente pular em um táxi. Eles tinham dificuldade para chegar em casa. Na verdade, às vezes, lhes dava uma carona para casa. Nós colocávamos todos na parte de trás do caminhão! Assim, nossos fãs estavam lá incondicionalmente desde o primeiro dia. Eu acho que é porque tínhamos um material original forte e as outras pessoas não estavam fazendo isso.

TheQuietus: Há uma cena durante o recente documentário Flight 666, onde um fã se concentra depois do show e ele está tendo o que parece ser uma experiência religiosa, com os olhos fechados, apertando as mãos na frente dele. Vocês sempre tiveram esse tipo de fã incondicional desde o primeiro dia?

Harris: É incrível. É um fenômeno. Fãs do Maiden são conhecidos ao redor do mundo como sendo os melhores fãs e com razão. Eu não consigo pensar em nenhum outro grupo de fãs que chegue perto.

TheQuietus: Qual a importância da presença visual da banda... não me refiro a maneira de se vestir...

Harris: Certamente não! Não temos sido pioneiros em termos de moda, vamos ser honestos.

TheQuietus: Eu diria que você certamente mudou positivamente desde os dias em que Bruce Dickinson usava calças de arlequim...

Harris:  [soa inseguro] hmmmmmmm.

TheQuietus: E sobre o logotipo? Parece que você já o tinha desde o primeiro dia.

Harris: Não, na verdade havia outro antes desse. Quando estávamos realmente apenas começando em Stratford, colocamos cartazes nos arredores que tinha um logo anterior. Foi chato realmente. Eu mesmo desenhei, afinal eu era desenhista. Tivemos um personagem fantasma naquela época e o logotipo do Iron Maiden em uma fonte com um antigo estilo inglês.

TheQuietus: Antes mesmo de você ter Eddie The Head, você teve a ideia genial de ter um mascote que representava a banda e, de certa forma, é mais importante do que qualquer um dos  membros. E eu vi imagens suas no palco antes de vocês serem contratados, com um rosto estranho pendurado na parede do pub derramando algo pela boca.

Harris: A origem foi um cara que cantava na banda a época, Dennis [Wilcock], que foi fortemente influenciado pelo Kiss. Ele costumava usar um coração vermelho sobre um dos seus olhos e ele tinha cabelo loiro encaracolado e lutava com uma espada, curiosamente, ele tinha uma espada no palco, e a colocava através de sua boca explodindo cápsulas de sangue. Ficou na banda por um curto tempo, e depois que nos deixou nós pensamos se gostaríamos de continuar fazendo esse tipo de coisa, então nós tivemos a ideia de ter essa coisa acima do baterista. Nós íamos pendurar esse cara na parede, atrás da baterista e tinha uma bomba de aquário nele. Durante a música 'Iron Maiden' nós tínhamos que bombear o 'sangue' para fora de sua boca. Ele caia todo na cabeça do baterista [Doug Sampson]. Ele costumava adorar! Ele era o destaque da noite... Tínhamos uma máquina de bolhas e uma de gelo seco feita de uma chaleira antiga. Foi ótimo. Nós estávamos tentando fazer algo um pouco diferente. Não apenas para chamar a atenção, mas para fazer um show diferente do que você tinha normalmente. Eu costumava ir a pubs e ver bandas, eu queria que o nosso show se destacasse dos demais.

TheQuietus: Você fez sua primeira turnê mundial com Killers [1981]. Você se sentia preparado para isso?

Harris: Nós estávamos juntos a quatro anos e meio até assinarmos com a gravadora, por isso, tivemos muito tempo para nos preparar tocando no Reino Unido em pequenas turnês. No momento em que chegamos ao segundo álbum já tínhamos visitado o Japão e feito duas turnês pelo Reino Unido, nós tínhamos feito uma turnê como banda de abertura do Judas Priest e outra com o Kiss. Nós estávamos prontos para isso. E isso é metade do problema nos dias de hoje. Você começa uma banda com qualquer tipo de promessa e eles te empurram pra frente muito rápido e eles não tem a oportunidade de crescer. Começam a impor as coisas muito cedo.

TheQuietus: Houve um show ou uma turnê em que você pensou: "Nós fizemos isso? Agora estamos entre os grandes"?

Harris: Bem, isso não foi depois da turnê do Killers. Apesar de ter sido fantástico quando tocamos na Stadsgehoorzaal Arena em Leiden, Holanda e as pessoas tinham bandeiras com o nosso nome, isso mesmo sem nunca termos estado lá antes. Foi quando pensei: 'Há algo acontecendo aqui'. Quando nós lançamos o terceiro álbum [The Number Of The Beast, 1982] e ele entrou na primeira posição, eu acho que talvez nós pensamos: 'Estamos aqui para ficar!'[risos] Eu acho que o sucesso do álbum nos ajudou a superar a preocupação da saída de Paul [Di Anno]. Foi realmente preocupante para nós pensar que todo esse trabalho duro ao longo dos anos poderia ter ido para o lixo. Nós simplesmente não podámos deixar isso acontecer. Eu não podia deixar isso acontecer. Eu simplesmente não conseguia. Então, quando Bruce entrou foi preocupante. Nós sabíamos que ele era bom e nós sabíamos que ele poderia lidar com isso, mas se as pessoas entendessem tudo de outra forma. Mas deu tudo certo. E eu acho que foi a grande virada para mim, quando as pessoas gostaram de Bruce, eu pensei, 'Bem, nós estamos aqui para ficar agora". Porque, então, eu sabia, longevidade sábia e que ele poderia 'cortar a mostarda'.

TheQuietus: Obviamente todos no Iron Maiden estão bem em forma, vocês jogam futebol, e os shows por si só já são ótimos exercícios. Há alguma razão pela qual vocês não consigam continuar por mais dez anos?

Harris: “Não sei sobre dez anos, mas tenho certeza que ainda temos outros cinco. É difícil dizer. Quanto mais você envelhece é mais difícil se manter magro e em forma. Nós nos esforçamos muito para fazer isto. É importante para nós. [...] Eu não jogo mais muito futebol, mas jogo bastante tênis. Em partes pelos problemas nas costas. Infelizmente faz 5 anos desde que joguei uma temporada completa de futebol e é algo que sinto muita falta, mas eu tinha que tomar uma decisão.”

The Quietus: Dado a forma abrasiva que o Metal tem com a imagem, o som, a filosofia e as letras, como você explica todo este apelo global?

Harris: "Porque ele realmente faz a diferença para as pessoas que o escutam. Isso dá uma identidade, faz sentir como se fizessem parte de algo. É um apelo que aqueles que estão de fora não entendem. Se as pessoas ouvissem o Metal propriamente elas iam acabar percebendo que ele significa muito mais do que a primeira vista."

The Quietus: Você poderia ter um Eddie comunista vestido como Mao Tsé-Tung.

Harris:  [risos] Sim. Quer dizer, eu gostaria de ir para a China de qualquer maneira como um turista, mas eu também gostaria de ser pago em uma turnê para lá. Vamos ver.

The Quietus: Dada a forma como o heavy metal é abrasivo com a imagem, o som, a filosofia, letras... como você explica o grande apelo global?

Harris: Porque realmente significa algo para as pessoas que o escutam. Isso lhes dá uma identidade onde possam se sentir parte dela. É interessante como quem está de fora não entende isso. E se as pessoas de fora observarem corretamente, então eu acho que muitas acabarão pensando: 'Ta vendo, há muito mais nisso do que os olhos podem ver. E você sabe o que é? Existe.

Fonte: The Quietus
Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »