Nicko McBrain: 'Seventh Son é uma obra prima!'

O baterista do Iron Maiden Nicko McBrain foi entrevistado por Ed Masley do AZCentral.com sobre a "Maiden England Tour". Confira alguns trechos:

Esta não é a primeira vez que vocês recriam uma turnê anterior. O que inspirou esta série da história do Maiden?
"A principal razão são essas novas gerações de fãs. Nós pensamos, 'Essas crianças não foram e sequer pensaram em ir a um show quando nós saímos com essa tour em 88.  E foi assim que tudo começou. Por isso, funciona bem para nós. Quando você está fazendo um registro novo, você tem que ver como as vendas vão nisso, você tem que sair em turnê e promovê-la, o que sempre fizemos um grande trabalho no passado. Mas é bom não ter que tomar esse lado da indústria com você toda vez que você sair em turnê."
   
Ter que recriar o que você fez em 1988 trouxe lembranças daquela época na história do Iron Maiden para você?
 "Eu acho que se você pedir a todos, nós meio que só sebemos que estávamos lá, mas não me lembro de alguma coisa sangrenta sobre isso [risos]. Mas ir a esses lugares que tocamos nesse período de nossas vidas, você às vezes tem lembranças do que ocorreu. É como quando você se senta em torno de uma mesa com seus companheiros de infância, e alguém vai dizer uma coisa pequena e isso só evoca essa memória. Para mim, acho que é mais assim quando eu estou realmente tocando uma música em um local particular. Eu lembro o que fiz depois do show a noite. Aqui é onde eu levei minha esposa para fora e tudo o que aconteceu. Bem, ela não teria sido a minha esposa, então. [Risos, e depois com uma voz muito mais alta] Poderia ter sido outra pessoa [risos]. "

McBrain, que se juntou ao Iron Maiden em 1982 como substituto para o baterista Clive Burr, disse ao AZCentral.com que ainda lembra muito bem do "Seventh Son Of A Seventh Son" como álbum, especialmente agora que ele teve que re-aprender todo o material a partir dele. 

"É uma obra-prima", disse ele. "O que eu tendia a fazer era ver o vídeo 'Maiden England'. E eu digo, 'Meu Deus, eu não posso acreditar que nós tocamos essa música tão rápido." Então o que temos feito é - ainda temos um monte de energia, mas como baterista, eu percebi que não poderíamos tocar essas músicas nesta velocidade hoje e fazê-la funcionar melhor. Éramos mais jovens. Muito mais loucos. Estamos um pouco mais certos sobre para onde vamos e com o tempo agora. Ainda há noites em que toco um pouco rápido, e eu e Steve [Harris, baixista] seguimos andando juntos e o resto da banda gemendo, e gemer para nós porque achamos que somos crianças, jovens novamente lá em cima. [risos] Mas foi muito legal ouvir de volta as coisas antigas, porque eu raramente revisito o material mais antigo do Maiden quando eu estou ouvindo música no meu carro."

Fonte: AZCentral.com
Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »